Todas as edificações devem contar com um adequado Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA), o famoso para-raio.  Além de garantir segurança para os moradores, o sistema influenciará também na cobertura que a seguradora definirá para o condomínio.

Como funciona

O equipamento capta a descarga elétrica dos raios e conduz com segurança até a terra. O para-raio evita que a estrutura do edifício seja danificada ou que a descarga de energia percorra as instalações elétricas e coloque em risco os moradores que estejam circulando pelo condomínio.

Não é raro encontrar sistemas falhos mesmo nas edificações mais recentes, em que o SPDA já vem instalado.  A melhor garantia é executar uma vistoria técnica com um engenheiro eletricista para buscar total aderência à norma NBR-5419/01 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Anualmente, a ART ( Anotação de responsabilidade Técnica) de manutenção deve ser renovada por empresa especializada em medição ôhmica (resistência de aterramento).

Prevenção

Nas rotinas de manutenção não se pode esquecer de verificar se a luz piloto que fica no mastro do para-raio não está queimada. Ela indica a altura final do edifício, o que é super importante se o local estiver em área de rota de aviação. Além disso, deve-se realizar a limpeza no cabeamento e nos captores das hastes e, principalmente, fazer a checagem se as hastes estão esticadas e se os isoladores estão bem fixados à estrutura.

Muitas vezes os topos dos prédios tornam-se verdadeiras torres de babel com a instalação irregular de antenas de TV por assinatura.  É importante garantir que as antenas tenham uma base própria para fixação, estejam aterradas e conectadas ao sistema de para-raio.  A caixa d’água também precisa estar aterrada, pois pode atrair raios.

 

Tipos de para-raios

São dois tipos de sistemas de para-raios previstos na NBR – 5419: o Franklin e a Gaiola de Faraday.

Tipo Gaiola de Faraday

Captor do tipo terminal aéreo, com cabo de cobre, suportes isoladores, tubo de proteção, malha de aterramento e conector de medição. O sistema envolve todo o perímetro do prédio e o cabeamento é fechado, com um captor a cada cinco metros.

Tipo Franklin

Captor em forma tridente, com poste metálico instalado no ponto mais alto do prédio, cabo de cobre, caixa de inspeção, haste copperweld e conector cabo/haste. A captação da descarga é feita pelo mastro.

No prédios com mais de 20 metros de altura, recomenda-se a instalação dos dois sistemas, que atuarão conjuntamente para prover o nível de segurança adequado.

Veja Mais: Segurança em piscinas é fundamental para evitar acidentes em condomínios. Clique Aqui!

 

:: C I P A - Condomínios, Locações, compra e venda de imóveis, seguros ::
  • Rua México, 41, 2º andar - Centro - Rio de Janeiro - RJ
  • +55 21 2196 5000

CIPA na Rede

Receba Notícias