Blog Condomínio

Blog

Revista Condomínio Etc.

Impermeabilizar é fundamental

Banner Revista

Período de chuvas pode agravar infiltrações e gastos com obras emergenciais podem ser 12 vezes maiores do que a manutenção.

 
Sem tempo para ler? Clique no play abaixo para ouvir esse conteúdo.

 

O concreto não é 100% impermeável, e quando chega a época das chuvas alguns problemas se agravam. É quando começam a aparecer as manchas nos apartamentos da cobertura, a goteira na garagem, o mofo nas paredes, a pintura descasca na fachada. Muitos desses transtornos podem estar relacionados com falta de impermeabilização. “Pequenas infiltrações, mofo e bolor são como uma febre baixa que avisa ao corpo que temos um problema. E se não cuidarmos teremos sérios desdobramentos. Manter a proteção da impermeabilização evita a aceleração dos desgastes e, em consequência, a necessidade de refazê-la”, afirma o diretor da KM Impermeabilizantes, Kenedy Mendonça.

Mesmo com a crise que assola o país e o dinheiro curto para administrar o condomínio, os síndicos não devem descuidar da manutenção. Não fazer a impermeabilização, por exemplo, pode custar caro no futuro. Encarada muitas vezes como uma obra dispensável, as pessoas só lembram que precisam proceder à impermeabilização quando aparecem os problemas. No entanto, a prevenção é sempre o melhor remédio, inclusive para o bolso. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Impermeabilização (IBI), a cada dez pessoas que procuram produtos para esse tipo de obra, sete já estão com graves problemas de infiltração. Só para se ter uma ideia, o custo inicial da impermeabilização, previsto numa obra residencial, varia de 1% a 3% do orçamento total, enquanto os gastos futuros, decorrentes da má impermeabilização ou da falta dela, podem superar os 12%.

Para a administradora e síndica profissional Márcia Montalvão, a infiltração é um dos casos mais complexos para se resolver em um condomínio, isso porque a água acha caminhos que dificultam muito a identificação da origem do problema. “Quem entende um pouco sobre infiltração concordará comigo que o ideal é que o problema não apareça. Culturalmente a obra de impermeabilização é adiada. A falta de conhecimento e o custo, muitas vezes elevado pelo tempo sem intervenção, aumentam a complexidade. Para que isso não ocorra, precisamos ser assertivos na intervenção, pontual ou geral, para sanar o problema.”

As lajes que não possuem impermeabilização podem apresentar rachaduras e trincas, reduzindo de maneira significativa sua durabilidade. O impermeabilizante para laje exposta evita o desgaste do material e ainda valoriza o imóvel. Para o diretor da KM Impermeabilizantes, empresa que está no mercado desde 2008, “toda estrutura de concreto exposta à chuva e carga de água deve ser impermeabilizada, pois, além dos problemas estéticos, as infiltrações também atacam as ferragens, fazendo com que aumentem de tamanho por causa da ferrugem e da quebra gradual do concreto que fica no entorno, comprometendo, assim, a vida útil da estrutura”.

O arquiteto Herval Luiz Vasco, sócio-diretor da Carmel Construtora, afirma que é importante fazer a impermeabilização não só na laje, mas em todos os locais que fiquem expostos à chuva ou à umidade, como o playground, o terraço, o telhado, a caixa-d’água suspensa, a cisterna, a calha de águas pluviais, a piscina, o lago etc. “Nenhuma infiltração acontece de um dia para o outro. Devemos ficar muito atentos quando se observam erupções da massa ou da pintura da parede, do teto ou umidade ascendente no ‘pé’ das paredes, nas superfícies e revestimento soltando.”

Entretanto, antes de adquirir qualquer produto no mercado é importante contratar uma empresa especializada. Existem várias opções de impermeabilização que utilizam material diferente. Mesmo nos prédios que têm telhado, as lajes precisam estar impermeabilizadas, visto que muitas telhas, com o tempo, podem quebrar, permitindo que a água penetre e acumule na laje.

Outra orientação importante: antes de sair corrigindo as marcas visíveis de infiltração nas paredes, é necessário descobrir a origem real do vazamento. Márcia é proprietária da empresa Sindmar, que atende condomínios residenciais, mistos e flats nas zonas norte, sul e oeste e no Centro da cidade. Ela alerta que é importante que a obra seja feita sempre com um especialista. “Entendo que o síndico deva respeitar as especializações de cada profissão. Da mesma maneira que não se pode dar a um arquiteto a responsabilidade de uma ação judicial, não é qualquer profissional que pode realizar um trabalho de impermeabilização. Além de saber qual produto usar, o profissional deve saber aplicá-lo, caso contrário, o barato acaba saindo caro, pois pode-se perder o produto e ter retrabalho para solucionar o problema.”

O sócio-diretor da Carmel Construtora concorda com Márcia. Para ele, poupar e não fazer a manutenção da forma correta pode sair mais caro para o condomínio. “Os custos de refazer são maiores que os custos de manutenção periódica. Devem-se procurar firmas experientes e especializadas para não desperdiçar recursos. Conhecimento é tudo.” Qualquer furo, rasgo, instalação de equipamento sobre a massa, como antenas e gradis, pode comprometer todo o sistema. Kenedy, da KM, também acredita que não fazer a manutenção de forma correta pode gerar um grande prejuízo. “A impermeabilização é um sistema vasto, e avaliar um serviço dessa magnitude só pelo preço pode causar um novo custo em breve. Indico sempre que possível uma consultoria que faça o estudo e as recomendações do melhor sistema a ser empregado, para posteriormente buscar a empresa aplicadora. Assim, todas darão orçamento com base no mesmo sistema.”

Um trabalho bem-feito e com manutenção periódica acaba tendo uma vida longa. De acordo com o sócio-diretor da Carmel Construtora, a impermeabilização com manta asfáltica tem boa durabilidade, em geral é realizada durante a execução da obra e é um dos sistemas mais utilizados no Brasil. “Falando da impermeabilização com manta asfáltica, que leva recobrimento de argamassa, desde que bem aplicada, de acordo com as normas do fabricante e preservada de ações externas contundentes, o prazo de garantia do fabricante é de cinco anos, mas tenho manta asfáltica aplicada há mais de 30 anos”.

Convém lembrar que para a escolha do material é importante considerar o tipo de uso da laje e as exigências que ela terá. De acordo com o especialista da Carmel Construtora, é preciso analisar a estrutura do concreto e o produto que vai ser aplicado. “Em se tratando de outros produtos à base de cimentos especiais com aditivos minerais, os semiflexíveis possuem menor prazo de garantia e necessitam de manutenção periódica de dois a três anos em média. Mas as autovistorias e o acompanhamento do bom uso das áreas impermeabilizadas podem aumentar consideravelmente a durabilidade delas”, explica Herval.

A impermeabilização com membrana de silicone é uma novidade no mercado brasileiro e é indicada para proteger superfícies como lajes, com a vantagem de o silicone poder ser aplicado com equipamentos semelhantes aos da membrana acrílica. O silicone é resistente à água e às agressões climáticas intensas. Muitas empresas trabalham com material importado e estão sempre lançando novidades no mercado. “Eu vejo tanto os poliuretanos para impermeabilizar lajes sem necessidade de proteção quanto as injeções de poliuretano para estancar infiltrações em subsolos e reservatórios sem precisar esvaziá-los, opções que vêm ganhando muitos adeptos no mercado e que oferecem muita qualidade e eficiência”, ressalta o diretor da KM.

Estar com a manutenção sempre em dia e fazer as obras com empresas especializadas é fundamental para ter uma impermeabilização eficiente. Tanto Kenedy quanto Herval sugerem que os síndicos pesquisem sobre as empresas e exijam delas certidões, documentos e atestados técnicos antes de fechar um contrato. Ao designar uma empresa, o síndico também deve exigir que o profissional que aplica o impermeabilizante utilize os equipamentos de proteção individual (EPI). “Quando prestamos serviço para construtoras ou órgãos públicos, temos de apresentar toda a documentação. Se os condomínios agissem com o mesmo rigor, poderiam evitar alguns transtornos”, afirma Kenedy. “O barato sempre sai mais caro quando o serviço é feito por aventureiros”, conclui Herval. Além disso, obras bem-feitas aumentam a longevidade do imóvel e melhoram a qualidade de vida dos moradores, visto que o excesso de umidade pode provocar uma série de problemas de saúde, em especial, os respiratórios.

 

Serviços:

Carmel Construtora Ltda.
(21) 3205-4575/99975-2285
[email protected]

KM Impermeabilizantes
(21) 2627-9264/99011-0669
kmimper.com.br

Banner Revista
Compartilhar:
Comentarios 0 Comentários

deixe seu comentário

posts relacionados

Segurança para todos os bolsos

Segurança para todos os bolsos

Não importa o tamanho condomínio, as empresas têm sistemas que cabem no orçamento Em 2021, a Polícia do Estado do Rio de Janeiro registrou 1.010 roubos a residências. Só... Saiba mais!

Jardins verticais

Jardins verticais

Uma dose extra de natureza Poucas coisas são tão relaxantes quanto contemplar a natureza. Essa sensação é tão agradável que nós, que estamos nas grandes cidades, fazemos questão de... Saiba mais!

Evite problemas em obras!

Evite problemas em obras!

Gerenciamento de projetos otimiza execução de processos  Você já deve ter ouvido falar sobre gerenciamento de projetos. Mas você sabe o que, de fato, isso significa? Segundo o livro... Saiba mais!

Mais segurança, menos custo: acolchoar o elevador é essencial

Mais segurança, menos custo: acolchoar o elevador é essencial

 Acolchoados protegem o meio de transporte de possíveis danos Você sabia que o Brasil possui 500 mil elevadores e metade desse número está situada no eixo Rio-São Paulo? Os... Saiba mais!

Cadastre-se em nossa newsletter e receba todas as novidades do Grupo Cipa em seu e-mail.

Close Bitnami banner
Bitnami