Por CIPA
Em 18/06/2018
207 Views

No lugar de seis casas, rede francesa terá misto de hotel, hostel, além de espaços para aluguel privado e convivência. Obras começam no fim do ano e local deve ser aberto em 2020.

A rede Accor Hotels tem planos ousados para o Largo do Boticário, no Cosme Velho, Zona Sul do Rio. A rede francesa, que acaba de adquirir as seis casas tombadas como patrimônio histórico, vai transformar a região numa “open house”, um novo conceito de hospedagem e convivência, que combina hotel, hostel e aluguel privado.

Com as mudanças, a rede planeja transformar o local, daqui a dois anos, em um ponto turístico relevante na cidade.

Além de hotel e hostel – com dormitórios para até dez pessoas, quartos para quatro e duas pessoas, com banheiro comunitário ou particular -, no local também haverá dois bares, três restaurantes, lojas, piscinas, barbeiro e até uma área de coworking. O espaço deverá ser compartilhado por turistas e cariocas, principalmente vizinhos de Largo.

“Não se trata só de um local de hospedagem, é um local de vida. Queremos que todos desfrutem do espaço, que encontrem amigos para tomar um drink, que curtam a piscina. Queremos atrair todo tipo de público: jovens, famílias, grupos de amigos, gente que queira desfrutar de uma nova e agradável experiência”, disse o Patrick Mendes, CEO da Accor Hotels, acrescentando que o preço do leito poderá variar de R$50 a R$100 por um leito com café da manhã incluso.

Mendes anunciou nesta segunda-feira (18), que seis casas tombadas pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultura (Inepac), e que estão em péssimo estado de conservação, foram todas adquiridas pela rede por R$ 20 milhões. Os imóveis serão preparados, requalificados e terão suas fachadas restauradas para receber a estrutura que vai contar 350 camas em 70 espaços – entre dormitórios grandes e médios e quartos – além dos outros equipamentos.

A rede hoteleira está investindo R$ 30 milhões. As obras – depois de todas as autorizações e aprovações de projeto – devem ser iniciadas no fim deste ano. E devem durar de 18 a 24 meses. A previsão de abertura da “open house” é o segundo semestre de 2020. Provavelmente em setembro.

“O Largo do Boticário vai ser o primeiro na América Latina a receber esse novo conceito de hospedagem, com a marca Jo&Joe, como o que inauguramos em 2016, na França. Ele é o local ideal, com um grande potencial turístico aliado a um interessante passado histórico. Queremos oferecer um lugar diferente para o carioca”, destacou o francês François Leclerc, vice-presidente de Marcas e Operações da Jo&Joe, e que até 2020 vai estar abrindo novas “open house” em outros dez lugares como Londres, Paris e Budapeste.

Segundo o arquiteto Ernani Freire, responsável pelo projeto arquitetônico do Largo do Boticário, além dos prédios já existentes, estão previstas expansões, mas que não ficará à vista. A intenção segundo ele, é integrar o Largo a outros equipamentos turísticos da região, como o Trem do Corcovado e a recém-inaugurada Casa Roberto Marinho.

Mendes disse ainda que, embora o empreendimento seja de um grupo francês, a maioria dos empregos gerados pela “open house” será destinada a cariocas. Ele prevê a criação de 80 a cem postos de trabalho para jovens que falem inglês, nos hostel, hotel, bares e restaurantes.

“Nosso objetivo é criar um novo ambiente. E fazer do Largo do Boticário um lugar que não pode deixar de ser visto numa viagem nem frequentado pelos cariocas”, enfatizou Mendes.

Fonte: G1

 

Cadastre-se no NOTICIPA

:: C I P A - Condomínios, Locações, compra e venda de imóveis, seguros ::
  • Rua México, 41, 2º andar - Centro - Rio de Janeiro - RJ
  • +55 21 2196 5000

CIPA na Rede

Receba Notícias