Blog Condomínio

Blog

Panorama

Animais que vivem em áreas externas de condomínios têm direitos garantidos por lei

Banner Revista

O direito animal é um novo ramo do direito formado por leis federais, estaduais, municipais, princípios próprios como o princípio da dignidade animal –, jurisprudência e doutrina. O direito animal traz a perspectiva do animal como um indivíduo que possui direitos fundamentais à existência digna, tendo como base a Constituição da República Federativa do Brasil, que, em seu art. 225, §1o, VII, traz a regra da proibição da crueldade animal.

Cada vez mais, o Judiciário brasileiro vem sendo acionado a se manifestar acerca dos direitos dos animais comunitários, que são aqueles que estabelecem laços de dependência e manutenção com a comunidade em que vivem. Eles têm direito de permanecer no local onde se encontram, a não ser que esse local ofereça riscos a sua integridade física, sob a atenta vigilância e os cuidados do Poder Público, conforme o disposto no art. 28 da Lei Municipal do Rio de Janeiro no 6.435/2018.

O Poder Público também deve oferecer a esses animais esterilização e identificação em um cadastro renovável anualmente.

Os responsáveis por esses animais são membros voluntários da comunidade que com eles tenham estabelecido vínculo de afeto e de dependência emocional recíproca.

O direito dos animais comunitários vem sendo reconhecido pela Justiça, como pode ser observado em recente decisão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, que reconheceu o direito de gatos que viviam em determinado condomínio da zona oeste de permanecerem na área externa do condomínio, onde viviam, ficando esses animais sob a responsabilidade de protetores que moram no local. Tais animais foram reconhecidos como animais comunitários.

Uma dúvida muito recorrente é em relação à possibilidade de os condomínios colocarem vasilhames com alimentação e água em seu espaço comum. Tal possibilidade tem amparo na legislação do município do Rio de Janeiro, por exemplo, no art. 28-A da Lei no 6.435/2018, que diz que é vedada a conduta de impedir, por qualquer meio, o fornecimento de alimentação, água ou assistência médico-veterinária aos animais comunitários, bem como a subtração ou destruição dos utensílios utilizados para acomodar a alimentação e a água, por exemplo. A não observância da lei configura crime de maus-tratos, conforme o art. 32 da Lei no 9.605/98.

Portanto, havendo conflito de interesses entre os direitos dos animais e o direito de propriedade, é preciso, por meio do bom senso, se chegar a uma solução harmônica que não prejudique o direito de ambas as partes. Regras devem ser estabelecidas, por exemplo, a determinação de um espaço e do horário para a colocação de alimentos e água e de um responsável para verificar as necessidades dos animais, a fim de não prejudicar os direitos dos condôminos.

Regras de conduta fazem parte de uma boa convivência em um condomínio, e uma vez que essas regras sejam descumpridas, conflitos entre os moradores podem ser gerados. Em busca de harmonia e do cumprimento da lei, é preciso que condomínio, condômino e Poder Público dialoguem cada vez mais. O direito de um termina quando começa o direito do outro, por isso é preciso chegar a um consenso para que o direito dos animais seja respeitado, bem como o de propriedade.

 

Autora: Camila Prado dos Santos – mestre em direito (Unirio); especialista em direito animal (Esmafe-PR/Uninter); coordenadora jurídica no PDS Advogados; membro da Comissão de Proteção e Defesa dos Animais da OAB/RJ.

Banner Revista
Compartilhar:
Comentarios 0 Comentários

deixe seu comentário

posts relacionados

Seja síndico por um dia no game WhatsCipa

Seja síndico por um dia no game WhatsCipa

O cotidiano da gestão condominial com leveza e bom humor Já se imaginou em um jogo de condomínio em que você terá que responder por questões referentes a todos... Saiba mais!

Secovi Rio realiza evento Panorama, com dados e perspectivas do mercado imobiliário para 2022

Secovi Rio realiza evento Panorama, com dados e perspectivas do mercado imobiliário para 2022

O Secovi Rio realizou, no dia 17 de março, mais uma edição do evento Panorama do Mercado Imobiliário. O encontro aconteceu no auditório da Fecomércio RJ, no Flamengo, e... Saiba mais!

Seguro obrigatório de condomínio

Seguro obrigatório de condomínio

Entre tantas responsabilidades, o síndico deve estar atento à necessidade da contratação dos seguros obrigatórios. Esse tema costuma gerar dúvidas e muitas aquisições inadequadas. O Art. 1.346 do Código... Saiba mais!

Assembleias virtuais em condomínios seguem para aprovação

Assembleias virtuais em condomínios seguem para aprovação

O Plenário do Senado aprovou, no dia 15 de fevereiro, o projeto de lei (PL) nº 548/2019, que permite a realização de assembleias e votações em condomínios de forma... Saiba mais!

Cadastre-se em nossa newsletter e receba todas as novidades do Grupo Cipa em seu e-mail.

Close Bitnami banner
Bitnami