Blog Condomínio

Blog

Revista Condomínio Etc.

Passaporte da vacina

Banner Revista

Há obrigatoriedade da vacinação em condomínios?

 

Desde o dia 1º de setembro é preciso comprovação de estar vacinado contra a Covid-19 para frequentar estabelecimentos e locais de uso coletivo na cidade do Rio de Janeiro. O passaporte da vacina entrou em vigor depois que o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ) negou um pedido de liminar que pedia a suspensão do Decreto nº 49.335 da Prefeitura do Rio de Janeiro. O público deverá apresentar um dos comprovantes para poder acessar espaços como cinemas, clubes, teatros e academias e permanecer neles.

A vacinação a ser comprovada corresponderá às primeira e segunda doses ou ainda à dose única, variando de acordo com a idade da pessoa e a respectiva data de imunização estipulada no cronograma da cidade. Confira as regras e os documentos válidos do passaporte da vacina.

Os locais que passarão a exigir o comprovante de vacinação a partir de 1º de setembro são:

• academias de ginástica, piscinas, centros de treinamento e de condicionamento físico e clubes sociais;
• vilas olímpicas, estádios e ginásios esportivos;
• cinemas, teatros, salas de concertos, salões de jogos, circos, recreação infantil e pistas de patinação;
• atividades de entretenimento, exceto quando expressamente vedadas;
• locais de visitação turística, museus, galerias e exposições de artes, aquário, parques de diversões, parques temáticos, parques aquáticos, apresentações e drive-in;
• conferências, convenções e feiras comerciais.

Quem perdeu a data da segunda dose não poderá entrar nesses estabelecimentos, mesmo que tenha tomado a primeira dose. A Prefeitura disponibilizou um calendário a ser usado por gestores desses estabelecimentos desde 1° de setembro. Ele conterá as datas das primeira e segunda doses conforme a idade do visitante do local. Se a pessoa estiver com alguma delas atrasada (de acordo com o prazo estabelecido pelo fabricante da vacina), ela não poderá entrar no estabelecimento.

 

Documentos a serem apresentados:

 

• documento de identidade com foto;
• certificado de vacinas digital, disponível na plataforma do Sistema Único de Saúde – Conecte SUS;
• comprovante, caderneta ou cartão de vacinação no formato impresso em papel timbrado, emitido no momento da vacinação em um dos postos de saúde.

Como o prefeito Eduardo Paes (PSD) explicou durante a coletiva do 34º Boletim Epidemiológico, o município conta com a cooperação dos estabelecimentos para a fiscalização e a adoção da medida. De acordo com o decreto, os responsáveis pelos espaços inclusos na nova lista devem:

• controlar a entrada de cada indivíduo nas suas dependências, mediante apresentação de comprovante vacinal juntamente com documento de identidade com foto;
• evitar aglomerações no acesso às suas dependências;
• continuar a seguir as regras previstas nas medidas de restrição em vigor no momento, de acordo com o tipo de estabelecimento, como distanciamento social e capacidade de ocupação.

Outros dois decretos também publicados em setembro estabelecem a mesma obrigatoriedade. O morador do Rio de Janeiro deverá estar com a vacinação contra a Covid-19 em dia para poder realizar cirurgias eletivas (não emergenciais) e para receber o auxílio financeiro por meio do Cartão Família Carioca.

 

Comprovação de vacina nos condomínios

 

O Decreto nº 49.335 da Prefeitura do Rio, de 26 de agosto de 2021, determina a obrigatoriedade da comprovação da vacinação contra a Covid-19 para acesso e permanência no interior de estabelecimentos e locais de uso coletivo.

De acordo com Alessandra Saad, do escritório Saad Advogados Associados, que atende os clientes Cipa, “embora o decreto não tenha citado os condomínios quanto à obrigatoriedade de comprovação da vacina contra a Covid-19 para acesso a certos locais e condomínios e permanência neles, não sendo realmente esse o foco, incluiu locais que existem em muitos condomínios, por exemplo, piscinas, academias de ginástica, salas de convenções etc. Portanto, entendo que, embora o decreto municipal não faça referência aos condomínios, elencou locais que podem ser focos, sendo feita a referência de forma indireta. Assim, entendo que é possível, sim, que o condomínio faça essa exigência; afinal, existem áreas comuns a serem regradas, mas por óbvio sendo verificado o direito de cada um, evitando qualquer tipo de abuso”.

A Associação Brasileira das Administradoras de Imóveis (Abadi) recomenda que os condôminos circulem nas áreas comuns, como academias, piscinas, salões de festas, quadras de esporte e outros, com seus comprovantes de vacinação, uma vez que o condomínio poderá ser fiscalizado e até multado de acordo com a interpretação do poder público.

Os síndicos, por sua vez, devem orientar os moradores quanto ao cumprimento dessa recomendação, evitando desdobramentos e questionamentos jurídicos.

Uma alternativa ao comprovante da vacinação em papel é baixar em seu telefone o app Conecte SUS, por meio do qual se pode comprovar a vacinação.

A advogada ressalta que os condomínios devem estabelecer suas regras para exigência do passaporte, mas alerta que “o ideal é que qualquer decisão seja pautada em uma assembleia, com convocação específica para que não haja dúvidas. Mas como todas as decisões que têm sido tomadas desde o início da pandemia, situação extremamente nova para todos, e que estamos conhecendo, vivenciando, temos de tomar muito cuidado com os excessos, e o bem-estar de todos, que é prioridade, não pode ser confundido com falta de razoabilidade e consciência”, conclui.

 

Dança do passaporte

 

O passaporte da vacinação começou a valer em 15 de setembro de 2021 e a documentação é exigida tanto para cariocas quanto para turistas. Na ocasião, o prefeito Eduardo Paes (PSD) afirmou que o documento era uma preparação para a abertura do município.

No dia 29 de setembro, no entanto, a exigência foi suspensa liminarmente por ordem do desembargador Paulo Rangel, da 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ) (processo nº 0070957-89.2021.8.19.0000).

No dia seguinte o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, restabeleceu o decreto municipal do Rio de Janeiro, que instituiu a comprovação da vacina contra a Covid-19 para o acesso a locais de uso coletivo na cidade.

Com o restabelecimento do decreto, mais uma vez o Supremo reforça a jurisprudência do STF de que a competência para a gestão de políticas públicas contra a pandemia da Covid-19 é de estados e municípios.

A decisão ainda é liminar e o ministro Luiz Fux não se manifestou – até o fechamento desta edição – sobre a constitucionalidade do passaporte da vacinação.

Banner Revista
Compartilhar:
Comentarios 0 Comentários

deixe seu comentário

posts relacionados

Segurança para todos os bolsos

Segurança para todos os bolsos

Não importa o tamanho condomínio, as empresas têm sistemas que cabem no orçamento Em 2021, a Polícia do Estado do Rio de Janeiro registrou 1.010 roubos a residências. Só... Saiba mais!

Jardins verticais

Jardins verticais

Uma dose extra de natureza Poucas coisas são tão relaxantes quanto contemplar a natureza. Essa sensação é tão agradável que nós, que estamos nas grandes cidades, fazemos questão de... Saiba mais!

Evite problemas em obras!

Evite problemas em obras!

Gerenciamento de projetos otimiza execução de processos  Você já deve ter ouvido falar sobre gerenciamento de projetos. Mas você sabe o que, de fato, isso significa? Segundo o livro... Saiba mais!

Mais segurança, menos custo: acolchoar o elevador é essencial

Mais segurança, menos custo: acolchoar o elevador é essencial

 Acolchoados protegem o meio de transporte de possíveis danos Você sabia que o Brasil possui 500 mil elevadores e metade desse número está situada no eixo Rio-São Paulo? Os... Saiba mais!

Cadastre-se em nossa newsletter e receba todas as novidades do Grupo Cipa em seu e-mail.

Close Bitnami banner
Bitnami