Blog Condomínio

Blog

Revista Condomínio Etc.

O condomínio está on: segurança e facilidade com inovações tecnológicas

Banner Revista

Sistema que monitora vagas e fluxo de carros ajuda a organizar os condomínios.

 
Sem tempo para ler? Clique no play abaixo para ouvir esse conteúdo.

 
De acordo com dados da última pesquisa do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), realizada em 2020, na cidade do Rio de Janeiro circulam mais de 2 milhões de automóveis. Um problemão não só para os responsáveis por planejar o trânsito no município, mas para quem precisa organizar o fluxo de carros e as vagas dentro dos condomínios. Nessa questão a tecnologia é sempre uma aliada. Sistemas inovadores, ágeis e seguros permitem organizar de modo prático o número de vagas e controlar o acesso de moradores e visitantes. Além de evitar confusões entre os condôminos, ajudam na segurança de todos.

Condomínios maiores, que têm um grande fluxo de entrada e saída de automóveis, precisam de equipamentos que facilitem a abertura dos portões. Marcelo Stenzel, diretor da Incotel Segurança e Sinalização, procura sempre visitar os imóveis para conversar com os administradores, conhecer os espaços e as demandas antes de implantar o sistema. “Fazemos isso para desenvolver uma solução adequada ao volume de tráfego e à disposição de antenas e câmeras. O controle de acesso veicular por tag permite a abertura da cancela ou do portão com alto fluxo e é ideal para condomínios com grande quantidade de veículos. Condomínios menores podem usar biometria digital ou facial, além de cartão por aproximação. Esse sistema é um pouco mais lento, pois exige que o morador pare o carro e acione a abertura da barreira. Em edifícios com alto volume de trânsito isso pode gerar engarrafamentos. O reconhecimento automático de placas (license plate recognition [LPR]) também auxilia quando o fluxo de veículos é alto.”

A Incotel está no mercado desde 1962 e tem uma linha completa de sistemas de acesso para casas e condomínios. Para Stenzel, um sistema que a Incotel desenvolve e é bastante procurado é o de gerenciamento do número de vagas. “Por ele podemos controlar o tempo de permanência de visitantes e o registro de grupo familiar, entre outras funcionalidades. Nosso software também permite o ajuste da abertura do portão ou da cancela conforme a distância desejada, o que facilita a entrada e a saída dos carros.”

Rodolpho Theil é síndico do Condomínio Rosa da Praia, na zona oeste da cidade. É um dos primeiros moradores do local. Tão logo assumiu como síndico quis resolver o problema das vagas na garagem. De acordo com ele, como não havia vagas marcadas, alguns moradores acabavam abusando e parando vários carros dentro do condomínio, o que gerava um desgaste muito grande entre os condôminos e os funcionários do prédio. “Cheguei a pegar uma senhora que, além de usar a vaga a que tinha direito, pegava a vaga de outro morador (sem ele saber) e alugava para outra pessoa. Era uma loucura. Fora os parentes e amigos que queriam todos parar dentro do condomínio, deixando muita gente que tinha direito do lado de fora. Então, quando assumi como síndico comecei a pensar em um sistema que resolvesse esse problema e desse mais segurança e organização à garagem.”

Rodolpho entrou em contato com a Incotel e explicou todas as necessidades que tinha. A partir daí a empresa desenvolveu um modelo novo que atendeu especificamente ao imóvel. “O sistema funciona como o ‘sem parar’ usado pelos pedágios e estacionamentos de shoppings, por exemplo. Assim que o veículo se aproxima, o portão já abre. O mais importante: verifica se já tem outro carro ocupando a vaga. Se isso acontecer, bloqueia o veículo na portaria. Vamos supor que o apartamento só tenha direito a uma vaga, mas o proprietário tenha três carros. Ele pode cadastrar os três, mas quando um deles estiver no condomínio, os outros não entram. A gente bolou esse sistema junto com a Incotel há alguns anos e o nosso sistema já foi reproduzido em outros imóveis.”

No Condomínio Brise, também na zona oeste, o problema com as vagas se repetia. Fernanda Barcelos é a síndica e lá moram mais ou menos 600 pessoas. O condomínio tem três blocos e 228 unidades residenciais. Com o novo sistema desenvolvido pela ABC Telecom, ela também conseguiu administrar e organizar as vagas na garagem. “Além de captar e controlar a entrada e a saída de veículos, também há câmeras muito boas espalhadas por todo o condomínio. Porquanto as imagens são armazenadas, podemos ver exatamente como o carro entrou e saiu do prédio, se estava amassado ou com arranhões. Isso evitou muita confusão, porque, às vezes, a pessoa parava em um supermercado, por exemplo, e algum cliente batia no carro. A pessoa não via, voltava para casa e estacionava sem perceber o que tinha acontecido. Depois, ao sair com o veículo novamente notava que ele estava amassado e achava que tinha sido um acidente na garagem. Com as imagens era possível ver que o carro já entrara amassado. As câmeras também ajudam a descobrir quando acontece um acidente dentro da garagem. Esse tipo de monitoramento acabou com muitas discussões entre moradores.”

Aline Marino é diretora comercial da ABC Telecom. De acordo com ela, o melhor sistema “é o integrado, pelo qual podemos ter vários sistemas trabalhando juntos, como o circuito fechado de TV (CFTV), sistema de monitoramento de câmeras ligados a uma rede central, alarmes, cercas de arame, controle de acesso para pedestres e veículos etc. Cada caso deve ser estudado para podermos avaliar e orçar o que mais se adapta ao cliente e ao local”. Rodolpho instalou 48 câmeras no condomínio, que cobrem todos os espaços internos – como garagem, escadas, elevadores e áreas comuns –, além de quatro que pegam a parte externa. “Essas câmeras do lado de fora estão interligadas com o centro de controle do município, que replica as imagens – se for necessário – para verificar roubos, furtos, acidentes etc. A gente ajuda na segurança do bairro e ainda protege os moradores.”

Outro ponto que deve ser observado pelos síndicos é a qualidade do controle de acesso. Eduardo Furtado, sócio da Rentel Soluções Inteligentes, diz que brinca com os clientes quando alguém procura a empresa para instalar esse tipo de sistema. Ele sempre afirma que “a Rentel vende um controle de acesso, mas que não dá só o acesso. Muita gente pensa que tendo a tag está controlado, mas o controle se dá quando o carro é monitorado ao entrar e sair, quando limita o número de vagas. Um sistema assim consegue dar acesso e controlar o acesso. Dá segurança e gestão pela qualidade e pela comodidade. Não vale a pena poupar, fazer um investimento pensando só no preço e não observar a qualidade, não ter uma boa manutenção ou usar equipamentos obsoletos. Não vai funcionar direito e, em vez de facilitar a vida de todos, vai dar muita dor de cabeça”.

Fernanda é sócia da empresa Síndico Rio, que atende a mais de dez condomínios residenciais e comerciais. Para vários deles contratou um sistema de vigilância completo. “Em todos os pontos temos câmeras com boa definição. Conseguimos pegar as pessoas chegando, seja morador, seja visitante, o que está entregando, o caminho que fez até os elevadores e dentro deles. Certa vez conseguimos socorrer um morador porque vimos que ele estava passando mal dentro do elevador. Já flagramos brigas e conseguimos saber como tudo começou. Não fica só em uma versão. Quanto mais investimento em segurança em um sistema digital, a história passa a ter início, meio e fim. Por isso é importante ter câmeras nos corredores, na garagem, nas áreas comuns, mas principalmente na entrada do condomínio, que é a porta de segurança do prédio e o primeiro e último acesso.”

E não é só isso. De acordo com Fernanda, essas imagens permitem que o síndico acompanhe a rotina do condomínio e consiga perceber áreas que precisam de uma reforma, porque nunca são usadas, ou áreas que precisam de mais iluminação, porque ficam muito desertas à noite. “É importante ter consciência que as câmeras estão ali não para flagrar coisas ruins, mas para dar segurança e conforto para os moradores. Ajudam a inibir o mau comportamento e a identificar melhorias para toda a estrutura do prédio.”

A ABC Telecom está, desde 1996, no mercado de segurança eletrônica e conta com mais de 130 mil clientes. A Diretora Comercial da empresa afirma que o ideal na hora de contratar um serviço é prestar atenção no que está sendo oferecido. “Por exemplo, existem motores hoje em dia com abertura e fechamento mais rápidos, o que faz aumentar a segurança, pois evita que estranhos possam entrar junto com carro na hora do fechamento do portão. Quando se trata de nossa segurança, nossa família, nossos clientes ou funcionários, sempre é válido o investimento. Ainda que não seja um sistema barato, mas segurança, organização, tranquilidade e outros benefícios que o sistema traz compensam o custo.”

A Incotel, por ser fabricante de produtos de segurança e sinalização, fornece não só os sistemas de controle de acesso, mas também programações para alto fluxo. Controlar o tempo de permanência dos visitantes faz parte de um dos sistemas desenvolvidos pela Incotel. “Para garantir que esses visitantes não estejam fazendo atividades diferentes daquelas que são autorizados a realizar – como os entregadores, por exemplo –, nós conseguimos controlar o tempo que eles ficam nos imóveis. Isso é mais um ponto para evitar furtos e assaltos.”

A manutenção do sistema também é fundamental. De acordo com o sócio da Rentel, que atua no mercado desde 1992, se não houver esse cuidado, em poucos anos, poderá haver a possibilidade de se jogar o sistema fora. Para Eduardo Furtado, “a instalação do equipamento tem de estar agregada a uma assistência com suporte e manutenção, que precisa ser preventiva e corretiva”. O síndico Rodolpho também acredita que a manutenção é essencial. “Por exemplo, quando trocaram as antenas da Linha Amarela, houve uma interferência em nosso condomínio. Mas a empresa foi chamada e fez uma reformulação, com novos códigos, e ficou tudo certo. Além disso, quando o mercado muda alguma coisa, a gente tem que se atualizar.”

Ele acrescenta ainda que, na hora da contratação, certamente “o custo é fundamental, afinal, estamos lidando com o dinheiro de todo mundo e o orçamento em geral é muito apertado. Mas gastar mal é pior ainda. Se for para instalar um sistema que vai funcionar mais ou menos o melhor é não gastar, porque não vai solucionar direito, vai ter reclamação e ainda se perde a oportunidade de fazer alguma coisa boa para o condomínio”. Além disso, na hora de escolher a empresa, o importante é analisar o histórico, as obras que ela já fez e se os resultados foram bons. “Sempre oriento que o síndico verifique a documentação da empresa, se está de acordo com o pagamento dos funcionários, se tem um mercado saudável, se não tem problemas com outros condomínios. Checar o histórico da empresa, o pagamento com os fornecedores. Imagina se ela não consegue comprar produtos no mercado? O restante vem automático: uma empresa que toma todos esses cuidados não vai fornecer um equipamento ultrapassado, pelo contrário, vai estar atenta a todas as novidades. Ter uma empresa parceira é o ideal”, afirma Fernanda.

 

Serviços:

Rentel Soluções Inteligentes
(21) 2547-2728
rentel.com.br/

Incotel Segurança e Sinalização
(21) 2270-0203
incotel.com.br

ABC Telecom
(21) 3312-4400/98214-4744
abctelecomrio.com/

Banner Revista
Compartilhar:
Comentarios 0 Comentários

deixe seu comentário

posts relacionados

Segurança para todos os bolsos

Segurança para todos os bolsos

Não importa o tamanho condomínio, as empresas têm sistemas que cabem no orçamento Em 2021, a Polícia do Estado do Rio de Janeiro registrou 1.010 roubos a residências. Só... Saiba mais!

Jardins verticais

Jardins verticais

Uma dose extra de natureza Poucas coisas são tão relaxantes quanto contemplar a natureza. Essa sensação é tão agradável que nós, que estamos nas grandes cidades, fazemos questão de... Saiba mais!

Evite problemas em obras!

Evite problemas em obras!

Gerenciamento de projetos otimiza execução de processos  Você já deve ter ouvido falar sobre gerenciamento de projetos. Mas você sabe o que, de fato, isso significa? Segundo o livro... Saiba mais!

Mais segurança, menos custo: acolchoar o elevador é essencial

Mais segurança, menos custo: acolchoar o elevador é essencial

 Acolchoados protegem o meio de transporte de possíveis danos Você sabia que o Brasil possui 500 mil elevadores e metade desse número está situada no eixo Rio-São Paulo? Os... Saiba mais!

Cadastre-se em nossa newsletter e receba todas as novidades do Grupo Cipa em seu e-mail.

Close Bitnami banner
Bitnami